Advertisment

As lembranças de Helga Nemeczyk

  • 07/09/2017

Uma história longa de carreira, construída passo a passo, dia após dia. Com vários cursos de teatro, dublagem e uma graduação em cinema na bagagem, Helga Nemeczyk hoje divide, com o ator Nelson Freitas, o quadro “Dadá e Dodô” no programa Zorra Total, da Rede Globo.
Em meados de dezembro de 2010, foi Teresópolis o lugar que escolheu para fazer suas fotos e renovar seu book. Mas a cidade está em sua memória faz tempo, desde criança. “Lembro-me que, antigamente, minha família ia visitar uns amigos que moravam bem no alto de um morro, mas não sei mais o nome do lugar. Fazíamos trabalho voluntário e, aos sábados, um grupo animado e engajado fazia reuniões em uma igreja da cidade. Eu era muito nova, mas lembro-me bem de querer ser como eles quando crescesse”, comenta.

Teresópolis ainda desperta na artista doces lembranças de infância, mesmo com olhos agora maduros. Para ela, “a paisagem continua linda e as pessoas sempre bem humoradas. A pousada em que fiquei para fazer as fotos é maravilhosa, aconchegante, silenciosa, incrível”. A ideia é voltar em breve com mais calma para reconhecer os lugares que passou durante a infância.
 

Atriz desde sempre, Helga se diverte ao lembrar das apresentações que promovia em casa, ainda pequena, para a família, levando os primos como cobaias. “Quando cresci, fiz meu primeiro curso de teatro no Tablado e depois fui morar em Londres, onde fiz um curso de teatro musical”, completa Helga. Em Londres, muitas histórias para contar. Boas e ruins.  Para pagar seu curso, teve de encarar na vida real os mais variados papéis, desde baby sitter até garçonete. “Quando estava completamente sem grana, me pintava de palhaço e ia cantar e fazer mímicas pelas estações de metrô, pelo Convent Garden. Em alguns dias, saía com 50 libras. Em outros, com alguns centavos. Mas valeu a pena. Aprendi muito. Trouxe ensinamentos de lá nunca vistos por mim aqui antes”, reforça a atriz, que chegou à Rede Globo em 2005, quando interpretava Evita Péron em um musical. Entre os espectadores, estava Maurício Sherman, diretor do Zorra Total. Surge então o convite para fazer parte do programa, onde Helga caminha para o seu sexto ano.

Muito além da TV, Helga se declara uma apaixonada também pelo teatro. Para se ter uma ideia, a atriz inicia este ano como parte do elenco de dois espetáculos. Um deles, o musical “Brasil 70”, que estreou em 14 de janeiro no teatro Café Pequeno, com canções de uma das décadas mais badaladas a que se tem notícia: lembranças e saudades de uma época sem igual. “Os figurinos exagerados da época transportarão tanto o público como nós atores para aquele universo“, adianta. Já “A menina que queria ser fada” tem estreia prevista para o Festival de Teatro de Curitiba, em abril de 2011. Helga conta que esta peça, com texto de Leandro Muniz e direção de Zé Alex, “é inspirada em uma história real de uma menina incrível, que transformava tudo e todos ao seu redor, parecia uma fada madrinha. Um dia, andava pela cidade de bicicleta e sofre um acidente fatal. Uma história comovente”.

E o que mais esperar de 2011? Entre a TV, o teatro e muita correria durante as pesquisas e a construção de seus personagens, Helga Nemeczyk ainda guarda tempo para planejar os próximos passos. “Pretendo continuar no Zorra Total, fazendo este quadro e propondo outros. Além disso, gostaria de fazer uma novela. Por que não?”, finaliza a atriz, com seu ar naturalmente divertido e contagiante. 

Busca

Editoriais

Facebook